domingo, 19 de fevereiro de 2012

Os Mistérios da Grande Pirâmide do Egito


Introdução

Desde a antiguidade pessoas ficam embasbacadas aos pés da mais incrível construção da história do planeta. Muitos curiosos e estudiosos debruçaram-se em teorias para tentar explicar por que ela está lá? Como foi construída? Quais tesouros ela guarda? Existe algum conhecimento misterioso? 

É a única das sete maravilhas do mundo antigo (famosa lista feita por um poeta grego) que ainda está em pé, e na época já era a mais antiga entre todas elas. Uma construção de 146,60 metros que só foi superada em altura depois de milhares de anos (a datação vigente baseia-se na hipótese de que a pirâmide foi construída pelo Faraó Queops ou Khufu, aproximadamente 4550 anos atrás).

Envolta em números fantásticos e características extremamente misteriosas, a Grande Pirâmide é também uma obra polêmica. Por entre suas entranhas estiveram reis, ladrões caçadores de tesouros e arqueólogos inescrupulosos, todos estavam em busca de fama ou atrás de um algo mais?

Símbolos espalhados pelo globo demonstram sua estranha influência sobre nós, e uma profunda ligação com ordens secretas, que são baseadas nos antigos mistérios, aumenta mais o seu fascínio. Utilizada em rituais esotéricos, ela está representada atrás das cédulas da moeda mais poderosa e utilizada no mundo contemporâneo: o dólar. Isso seria a prova de um poder obscuro que nos domina desde os primórdios da civilização?

E quanto a sua origem, Queops/Khufu foi realmente o construtor? A pirâmide é um túmulo para o faraó? Naquele tempo existia alguma evidência de tecnologia para fazer uma construção deste porte?


Números e Curiosidades

Para compreendemos a magnitude desta obra, temos que primeiramente observar seus números 

A Grande Pirâmide originalmente foi coberta por pedras de revestimento que formaram uma superfície lisa exterior, e aquilo que é visto hoje é a estrutura central subjacente. Algumas das pedras de revestimento que cobriam a estrutura ainda podem ser vistas ao redor da base. 

A maioria do revestimento exterior foi retirado 600 anos atrás para ajudar a construir cidades e mesquitas. Isso criou o aspecto áspero e desgastado que vemos na pirâmide hoje em dia. 

As teorias mais aceitas de construção se baseiam na idéia de que ela foi construída deslocando imensas pedras provenientes de uma pedreira, arrastando e levantado-as ao local das obras.

Abaixo as medidas de base e altura e sua exata localização:

Face sul da Grande Pirâmide. 
A base inicialmente media cerca 230.33 m². 
A altura original 146.59m.
Localização
29 ° 59 'N 31 ° 09' E
 
Mais uma notável característica da Grande Pirâmide do planalto de Gizé, no Egito, é sua colocação no Planeta Terra. A pirâmide está no centro de gravidade dos continentes, também está no centro exato de todas as terras do mundo, dividindo a Terra em quatro parte aproximadamente iguais.


A Placa XX – 1877
“Nossa herança na grande pirâmide”
Charles Piazzi Smith (1819-1900) foi astrônomo real da Escócia


Note na imagem que a pirâmide está exatamente no encontro entre o meridiano 31 graus a leste de Greenwich, e o paralelo 30 graus ao norte do Equador. Isso quer dizer que a pirâmide foi construída no meridiano mais longo da Terra e no paralelo mais longo da Terra. Incrível!

Dados e números:

  • 2.300.000 blocos de calcário e granito, pesando em média 2,5 toneladas. Nenhum bloco tinha menos que 2 toneladas e alguns chegam a 9 toneladas;
  • Peso aproximado: 6,5 milhões de toneladas;
  • A base da pirâmide cobre 13 acres e o comprimento de cada lado foi originalmente 230 metros;
  • Altura original: 146,59 m.

Para se ter uma idéia da grandiosidade e peso desta estrutura comparei com o Edifício Itália da cidade de São Paulo, que tem 165 metros de altura. O peso total do Edifício é de “apenas” 38.660 toneladas, e a Torre Eiffel, que foi a primeira estrutura a desbancar a Grande Pirâmide como construção mais alta (324 m), tem “apenas” 7300 toneladas. A pirâmide equivale a 195 Edifícios Itália e a 959 Torres Eiffel.

Torre Eiffel
Edifício Itália


A Grande Pirâmide é mais pesada que todas as catedrais, igrejas e capelas construídas na Inglaterra desde o início do cristianismo! 

A orientação da Grande Pirâmide em relação ao norte verdadeiro é como fazer com que ela seja declarado o "edifício com mais precisão feito sobre a terra." Ou seja, seus quatro lados são direcionados para os quatro pontos cardeais da bússola com menos de 3 minutos de um grau fora o norte verdadeiro.

Como os construtores das pirâmides orientaram precisamente a pirâmide? A bússola magnética foi inventada por mais alguns milhares de anos (ela não teria ajudado muito pois bússolas normalmente não apontam exatamente norte-sul), e eles teriam que esperar por mais mil anos para os satélites de posicionamento global. Além disso, é improvável que eles usaram Polaris, a Estrela do Norte, devido à precessão do eixo terrestre.


Outras curiosidades:
  • A altura da pirâmide multiplicada por 1 bilhão dá aproximadamente a distância entre o a Terra e o Sol;
  • A circunferência da pirâmide dividida pelo dobro de sua altura tem como resultado o 3,1416, o famoso número Pi;
  • As inclinações laterais tem um ângulo perfeito de 52 °, fazendo com que a altura da pirâmide em relação à sua base seja igual à do raio de um círculo em relação á sua circunferência;
  • Ergue-se em uma plataforma que fica assente em solo nivelado de forma artificial, e nos quatro cantos estão encaixes cuja função ainda é desconhecida;
  • A Grande Pirâmide, mais as suas outras duas companheiras, estão alinhadas perfeitamente com o cinturão de Órion (fato que será apresentado no texto), conhecido no Brasil como 3 Marias;
  • A pirâmide inicialmente tinha um ápice ou pináculo, que eram construídos ou revestidos em metal, como o topo dos obeliscos;
  • Nenhum corpo foi encontrado na Grande Pirâmide;
  • Nenhuma inscrição mortuária.





 
Falsos Construtores

Existem muitas estruturas piramidais na paisagem desde o delta do Nilo até a Núbia, cobrindo toda a extensão do antigo Egito. Porém, ao lembrarmo-nos de PIRÂMIDES não pensamos naquelas cópias mal executadas ou minipirâmides, e sim das Pirâmides de Gizé.

Faraó Khufu


O que os livros didáticos nos dizem é que a Grande Pirâmide de Gizé foi construída pelo Faraó Khufu ou Quéops (Grego). Esta “crença” surgiu inicialmente devido ao relato de Heródoto, conhecido como “pai da história”. Quando Heródoto visitou Gizé, no século V, as pirâmides ainda estavam revestidas, mas ele não menciona a presença dos pináculos. O historiador grego contemplou os monumentos considerados uma das sete Maravilhas do Mundo Antigo e pensou como foi possível sua construção. Os sacerdotes egípcios, que contaram a história da construção a Heródoto, afirmam que houve 10 anos de opressão apenas para construir uma “calçada” para auxiliar no transporte dos blocos, e ao todo a obra demorou 20 anos e empregou 100.000 homens cansados, cronologia que não faz muito sentido.

Heródoto

Uma das “estórias” relatadas é que a construção foi tão cara que “Com os cofres esgotados por tais despesas, Quéops lançou mão da própria filha, fazendo-a prostituir-se num lupanar e ordenando-lhe a tirar de seus amantes certa soma de dinheiro. Ignoro a quanto montou a quantia assim obtida, pois os sacerdotes nada souberam dizer sobre isso...” .

Khufu foi Faraó da IV Dinastia (2614 a.c. a 2579 a.c.) e reinou de 2551 a.c. a 2528 a.c., ou seja, seu reinado iniciou-se aproximadamente 4500 anos atrás. Heródoto viveu entre 485 a.c. a 420 .a.c, ou seja, nasceu a 2497 anos atrás. No período que Heródoto esteve no Egito correspondia a XXVII dinastia, que perdurou de 530 a.c. a 358 a.c. . Isso quer dizer que entre uma dinastia e outra há uma diferença de mais de 2000 anos! O fato mais estarrecedor é que a XXVII dinastia era Persa e foi nesse cenário que Heródoto conseguiu informações “confiáveis”. É-nos transmitida uma versão grega da construção das Pirâmides, com fontes ainda mais “incertas”. O próprio Heródoto diz sobre a “estória” que estes mesmo sacerdotes lhe contaram sobre Menkaure (Miquerinos), filho de Khufu, sobre o incestuoso amor por sua filha: “Creio, porém, que tudo quanto se conta desse amor incestuoso e das mãos das estátuas não passa de pura FÁBULA...”, e isto indica claramente a idoneidade das fontes. Provavelmente Heródoto e esses supostos sacerdotes egípcios sabiam tanto sobre as Pirâmides quanto sabemos hoje, muito pouco. Os romanos copiaram os gregos e continuaram com a mesma afirmação que perdura até hoje.

A teoria conhecida é que a Grande Pirâmide era um tumba real construída a mando de Khufu, para proteger sua paz eterna e evitar que seus tesouros fossem saqueados. Embora os especialistas insistam nesta teoria, nunca surgiram evidências concretas que sustentem a idéia de que a Pirâmide foi construída para ser um túmulo faraônico. A única coisa que encontraram na Grande Pirâmide foi uma misteriosa Arca de pedra vazia, na Câmara do Rei, que estava no fim de uma complexa rede de galerias, corredores, passagens e blocos de pedras. Por outro lado há uma série de evidências de que não foi construída com este intuito:

  • Na Pirâmide de Zoser foram encontradas várias múmias, mas nenhuma pertencia ao faraó Zoser. Isso indica que o monumento foi vítima de funerais invasivos;
  • A Pirâmide de Saqqara (em degraus) tinha uma câmara “mortuária” também, escondida e com uma urna de pedra vazia. Foi constatado que este “sarcófago” nunca tinha sido utilizado e a entrada para câmara estava vedada;
  • A Pirâmide de Khaba também tinha uma câmara “mortuária” e vazia;
  • Na Pirâmide de Maidum não há nenhum sinal de sarcófago, e sim uma série de mastabas (túmulos egípcios) na região;
  • As Pirâmides de Dahshur foram construídas por Snefru (pai de Khufu). Na pirâmide Curvada há duas câmaras “mortuárias” e na Vermelha três. Cinco câmaras todas construídas para Snefru (pai de Khufu)?;
  • Na Pirâmide de Quéfren novamente vazia;
  • Na Pirâmide de Menkaure (Miquerinos) encontraram um sarcófago de basalto vazio e nas proximidades um caixão de madeira com as inscrições “Men-Ka-Rá” e uma múmia: a datação de carbono mostrou que o caixão era do início da era cristã;
  • Na Grande Pirâmide, chamada de Khufu ou Quéops, todas as suas salas e câmaras descobertas em tempos atuais estavam vazias;
  • James Bonwick, Pyramid Facts and Fancies, “como podemos acreditar que os egípcios ergueriam monumentos tão imponentes sem deixar nenhuma inscrição, justamente eles que apreciavam o excesso de hieróglifos mesmo em edifícios sem importância?”

Khufu, o suposto construtor da Grande Pirâmide, Heródoto diz que o Faraó governou por 50 anos (a maioria dos outros relatos diz 23 anos, 2551 a.c. a 2528 a.c.) “Quéops, segundo me disseram os Egípcios, reinou pelo espaço de cinquenta anos.”. Imaginemos que Khufu assumiu o poder construindo a pirâmide, demorou 20 anos e depois ficou mais 3 fazendo o que? Prostituindo sua filha para pagar as dívidas? Onde estão suas grandes construções e estátuas extraordinárias? Onde estão os relatos de uma grande e magnífica equipe de arquitetos e engenheiros fantásticos? Onde estão as tecnologias e escolas para criar tal conhecimento insuperável, não somente das matérias já citadas, mas de geografia, geologia, geodésia, administração etc.? Onde estavam os escribas que não deixaram uma única inscrição na pirâmide, nem as inscrições mágicas, obrigatórias para guiarem os Faraós em sua vida pós-morte?

A única referência escrita no interior da pirâmide foi descoberta, em 1837, pelo coronel Howard Vyse, em uma das câmaras de descarga. São marcas de grafites (supostos hieróglifos) que citam os sinais do nome de Khufu. É insuportável pensar que o criador da maior “tumba” da história deixou a sua própria assinatura apenas em um canto perdido, com sinais PINTADOS que podem ser adicionados em qualquer época, talvez pelo próprio coronel Vyse, como propõem alguns especialistas. Na verdade, os hieróglifos estão invertidos e com erros gramaticais, sinal evidente de falsificação. Como dito antes TODAS AS PROVAS ARQUEÓLOGICAS são intrusivas e inconclusivas!

Coronel Howard Vyse
Câmara do Rei e a Câmara de Descarga

Pichação

Falsificação e Erro
 
Uma estela de calcário, chamada Estela do Inventário, descoberta por Auguste Mariette em 1850, é um verdadeiro texto egípcio encontrado em Gizé, nas ruínas do Templo de Ísis, próximo a Grande Pirâmide.  A estela foi feita na XXI dinastia como cópia de uma original erguida pelo próprio Khufu, referendada pelo egiptólogo Gaston Maspero. O texto foi feito para comemorar a restauração do Templo de Ísis e a descoberta de imagens e símbolos divinos encontrados por ele antes da reconstrução. Os versos de abertura são explosivos:

VIVA HÓRUS MEZDAU REI DO ALTO E BAIXO EGITO
KHUFU É DADA A VIDA!
ELE FUNDOU A CASA DE ÍSIS, SENHORA DA PIRÂMIDE, AO LADO DA CASA DA ESFINGE

Estela do Inventário


O texto afirma que muito tempo antes de seu reinado, a Casa da Esfinge já existia ao lado da Casa de Ísis, Senhora da Pirâmide (a Grande Pirâmide), e que ele fez para construir sua própria pirâmide e o de sua filha Henutsen (aquela mesma que Heródoto afirma ter se prostituído para construir a pirâmide), aos pés da Grande Pirâmide. Em seguida, o autêntico documento histórico afirma que as construções de Khufu são as 2 modestas pirâmides menores: um fato muito escandaloso.

O último argumento que cai por terra é que a Pirâmide foi saqueada e por isso não encontraram coisa alguma. Então se a Pirâmide foi saqueada porque tiveram que explodir, cavar e construir tuneis para driblar os gigantescos blocos de granitos que protegiam as partes internas da Grande Pirâmide? Ou seja, ela estava inviolada! Essa é a parte que não nos é contada. Ok! A Grande Pirâmide foi saqueada por um fantasma: então onde estão as inscrições GENUÍNAS por toda área interna, guiando o Faraó ao outro mundo?

Finalmente, só temos duas opções: ou a Grande Pirâmide foi construída antes do surgimento da escrita hieroglífica ou então não foram feitas pelos egípcios.


Alinhamento Órion

Arqueoastronomia é o estudo da astronomia praticada por povos pré-históricos, através de seus monumentos construídos pela observação dos astros que deu início à organização dos ciclos e contagem do tempo. Estuda os sítios arqueológicos onde existem construções de interesse da astrologia que foram posicionados usando-se conhecimentos de astronomia.

Robert Bauval, escritor de The Egipt Code, descobriu que as três pirâmides de Gizé estão alinhadas enigmaticamente com as três estrelas que formam o cinturão da constelação de Orion, o sinal de Osíris, o mais importante dos deuses antigos egípcios e o primeiro faraó.

Orion e a Pirâmides
 
Hieróglifos do Antigo Egito gravam os extensos preparativos aos Faraós para fazer a viagem perigosa para se juntar Osíris em Orion (ritual pós-morte). A ilustração abaixo mostra que a AlNitak, estrela do centro das Três Marias, corresponde à Grande Pirâmide. O deus egípcio Thoth ensinou: “assim na terra como no céu”.  

Usando Arqueoastronomia, Bauval calcula que 10.450 a.C. é o momento em que o cinturão de Órion e AlNitak são os mais baixos no horizonte. Essa é também a data com a melhor correspondência entre a orientação das Pirâmides de Gizé e as estrelas cinturão de Órion!

Robert Bauval - Engenheiro e um dos percursores da Arqueoastronomia


O Alinhamento da Grande Pirâmide com Outros Locais Sagrados

Os surpreendentes dados, apresentados até agora neste texto, seriam suficientes para considerarmos a Grande Pirâmide extraordinária em todos os aspectos. Como se não bastasse, os construtores resolveram nos mostrar mais um traço de sua genialidade, e somente com a tecnologia moderna podemos vislumbrar. 

Gizé está alinhado com os maiores monumentos antigos: Angkor, Nazca, Ilha de Páscoa, Ollantaytambo, Mohenjo Daro, Ur, Petra, Siwa e etc.  As fotos abaixo demonstram esses alinhamentos.





 
Como a Terra gira sobre seu eixo, o Equador continua a ser alinhado, mas a linha de locais antigos descreve uma onda senoidal como resultado de sua inclinação em relação ao equador. A linha da eclíptica pode ser observada descrevendo uma onda semelhante ao girar um globo que tem uma linha da eclíptica. A onda também pode ser visualizada pelo desenho da linha de locais antigos sobre uma projeção plana da Terra. 
Onda Senoidal
O comprimento de onda é igual à circunferência da Terra. A amplitude desta onda, medido a partir do meio da onda (do equador), é de 30 ° de latitude. Recorde-se que os paralelos 30° é ½ da altura de cada hemisfério, ou ½ do raio da Terra.

Uma vez que a altura da onda é igual a ½ de raio da Terra, a razão entre o comprimento de onda e é amplitude é 4 π. Medir a amplitude da parte superior do comprimento de onda para a parte inferior (de 30 ° N a 30 ° S), a amplitude é igual ao raio da Terra, e a razão entre o comprimento de onda e amplitude é 2 π.


Os Verdadeiros Construtores: utilidade e tecnologias empregadas

Tudo que foi apresentado neste texto nos deixa a certeza de que a Pirâmide não foi construída pelo Faraó Khufu e também não é um túmulo. Porém isso só nos dá indicações sobre o que a pirâmide não é

Para desvendar este mistério é necessário analisar vários pontos, principalmente que a Grande Pirâmide não foi construída por um povo sem tecnologia e conhecimento dos quatro cantos da Terra. Há de se considerar que o povo que construiu esta pirâmide tinha um tremendo conhecimento astronômico, espacial (mapeamento terrestre), tecnologia para construções e também escolas de conhecimento, como as universidades de hoje, pois a pirâmide não foi construída somente por trabalhadores braçais, mas principalmente por intelectuais. Também devemos considerar que não ter inscrições é um fato que demonstra a pirâmide sendo muito mais antiga do que a civilização egípcia, portanto não foi construída por eles.

Os teóricos dos alienígenas do passado propõem que a Grande Pirâmide foi construída por mãos humanas com tecnologia extraterrestre avançada, por isso até hoje não entendemos sua função e construção. Isso resolveria a questão tecnológica e das mentes por trás da obra. A própria Estela do Inventário nos mostra que Ísis era a senhora da pirâmide, e provavelmente seu engenheiro foi Toth, sendo uma obra dos “deuses”. Segundo o escritor Zecharia Sitchin, em seu livro Starway to Heaven “só nos resta acreditar na autenticidade da Estela do Inventário e em sua afirmação de que as pirâmides e a Esfinge já existiam quando Khufu foi ao local render homenagem a Ísis e Osíris. Não resta nenhum argumento que ponha em dúvida nossa certeza de que as pirâmides foram realmente construídas pelos deuses”. E para que teria servido a Grande Pirâmide? “as pirâmides de Gizé passaram a fazer parte de um Rede de Aterrissagem que tinha como ponto central os picos Ararat e Jerusalém...em virtude de sua localização,alinhamento e formato, as próprias pirâmides serviam como marco de orientação...” . A pirâmide sendo um marco resolveria o mistério dos alinhamentos terrestres demonstrados no capítulo anterior. Também resolveriam as questões de Orion e Sirius.

Ísis, Osíris e Hórus


Outra teoria interessante e convincente nos diz que a Grande Pirâmide pertence a uma civilização humana mais antiga que a Egípcia. Esta civilização existiu anterior ao grande dilúvio ou anterior a uma grande catástrofe global que pôs fim a ela. Tinha uma tecnologia parecida com a que temos hoje e alguns a chamam de Atlântida. Era uma civilização globalizada e muito avançada que sucumbiu. 

Outros estudiosos dizem que a pirâmide foi construída com função religiosa, ou seja, ela seria um templo de iniciação esotérica. Porém a teoria mais plausível sobre a função da Grande Pirâmide é de autoria do Engenheiro Christopher Dunn, com larga experiência em tecnologia aeroespacial, autor de Lost Tecnologies of Ancient Egypt. Ele diz que a Grande Pirâmide foi uma Grande Usina de Energia, geradora  de Hidrogênio. Isso era feito por uma solução de ácido clorídico e zinco hidratado, que quando combinados gerariam hidrogênio. O mistério fica ainda maior quando vemos a utilização deste elemento em aeronaves nos tempos contemporâneos, desde Zeppelin até foguetes espaciais. No vídeo abaixo está a explicação:

video
video


Christopher Dunn
 
Os estudiosos e curiosos estão ansiosos, pois quando o engenheiro Rudolph Gantenbrink enviou um robô no poço ao sul da Câmara da Rainha deparou-se com uma “porta de granito” chamada Porta do Gantenbrink. Ela dá acesso a duas novas câmaras. Há muito tempo acreditava-se que estes poços, inexplorados até 1993, eram passagens ritualísticas que conduziam a alma do faraó ao outro mundo. Isso coloca em xeque mate a teoria do Túmulo Faraônico, pois para que quatro câmaras mortuárias para um corpo? O poço continua sendo investigado pelo Projeto Djedi e pode trazer novas revelações sobre os construtores da pirâmide e sua utilidade.

Porta do Ganterbrink

 Por fim, deixo o leitor tirar suas próprias conclusões, revendo alguns conceitos que são considerados incontestáveis.

 
André de Pierre, 30 anos
Escritor e pequisador



11 comentários:

  1. Sensacional! parabéns!!

    ResponderExcluir
  2. João Paulo Tozo17 de maio de 2012 11:07

    Magnífico conteúdo.

    ResponderExcluir
  3. o nome do khufu só está invertido... -.-"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Felipe,
      A inversão é a prova da falsificação.
      A estela do inventário foi descoberta depois da pichação, por isto o erro dos falsificadores veio a tona!
      obrigado

      Excluir
  4. muito bom o post, tem de tudo um pouco, a engenharia do antigo Egito era maravilhosa, parabens.

    ResponderExcluir
  5. Impressionante o conteúdo. Qual a fonte desse estudo ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro anonimo,

      São muitas fontes e posso enviar por e-mail.

      atenciosamente

      Excluir
  6. Oi andre, vc tem as fontes de onde vc tirou essas informacoes?

    Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Erica,

      São muitas fontes. Enviarei por e-mail, qual o endereço?

      atenciosamente,

      André de Pierre

      Excluir
    2. você poderia mandar pra mim essas informaçoes por favor
      meu email: nicholas.martins3@etec.sp.gov.br

      obg

      Excluir
  7. Muito bom.

    Tem aquela história que diz que na pirâmide tem um caminho construido até o centro da terra.

    http://2.bp.blogspot.com/-JGAVaZMXLpo/UHXk_nKEfZI/AAAAAAAALqY/nxrGH4EpozI/s640/terraoca.jpg

    ResponderExcluir

Os editores do blog Ab Origine têm profundo amor e respeito pelo livre pensamento e liberdade de expressão, porém respeitamos ainda mais o leitor que busca um ambiente de respeito às opiniões.

Por isso optamos por moderar os comentários, que serão excluídos nas seguintes condições:

• Piadinhas e infantilidades
• Palavrões e ofensas
• Desinformação

Todos os outros comentários serão publicados, independente da opinião do leitor.