quarta-feira, 21 de março de 2012

The Dark Side of the Rainbow


Para aqueles que não estão familiarizados com a lenda, Dark Side of the Rainbow (em português, O Lado Sombrio do Arco-íris ( também encontrado na internet como The Dark Side of the Oz) é o nome dado ao efeito criado ao tocar o álbum conceitual do Pink Floyd The Dark Side of the Moon de 1973 simultaneamente com o filme de 1939 O Mágico de Oz. O efeito consiste no fato de que há diversos momentos em que uma obra corresponde a outra, seja por parte das letras das músicas ou pela sincronia áudio-visual. O nome do efeito vem da combinação do título do disco (The Dark Side of the Moon seria O Lado Sombrio da Lua, uma metáfora para ilustrar os conceitos de lado negativo da mente e da vida) e da icônica canção do filme Over the Rainbow (Além do Arco-Irís).


 - História:
Apesar de famoso, a origem do efeito é misteriosa, bem como as ocorrências que levaram à sua descoberta. Em 1994, fãs do Pink Floyd discutiram o fenômeno no grupo de discussão da banda. Naquele ponto, já não mais se sabia de quem foi a idéia de combinar as duas obras.
Desde então, passou a ser constantemente abordado pela cultura popular. Em Agosto de 1995, um jornal em Fort Wayne, Indiana, publicou o primeiro artigo na grande mídia sobre a sincronicidade. Logo após, vários fãs começaram a criar sites aonde descreviam suas experiências, procurando catalogar os momentos de sincronia.
  


- Acidental ou planejado?
Essa combinação rendeu muita especulação, pois de um lado a banda nega que fez seu álbum inspirado no filme, já que na época não haveria equipamentos que permitiriam a execução do vídeo durante as gravações, mas de outro,várias coincidências acontecem sequencialmente durante a reprodução, mas não só durante ela.

Coincidência (ou não) O filme original começa em preto e branco, mas quando Dorothy abre a porta da casa que foi levada pelo tornado à terra de Oz, tudo ganha cores. Da mesma maneira, Pink Floyd retrata na arte do álbum um prisma atingido por luz branca que se divide nas cores do arco-íris.
Mais coincidências são encontradas na filosofia de cada trabalho. O álbum Dark Side of the Moon retrata a parte sombria que está dentro da mente ou mesmo da vida de cada um. No filme, logo no começo cada personagem que trabalha na fazenda de Dorothy mostra uma qualidade ‘oculta’ que é o que buscam os personagens que a acompanham em Oz. E são os mesmo atores desses três fazendeiros que fazem o papel do Espantalho, Homem de Lata e do Leão.


No show Pulse, que contém todo o álbum The Dark Side of the Moon, a frase “I never said I was frightened of dying” no começo de Great Gig in the Sky foi alterada para “I never said I was frightened of Dorothy”, e na capa do álbum ao vivo, alguns viram a silhueta de uma mulher com sapatos vermelhos (que se vê na parte superior da íris) e de um homem de lata (que eu acho estar entre a bicicleta e as engrenagens na parte inferior da íris).

Clique para ampliar

 - Reproduzindo o efeito:
Real ou imaginado, o efeito é geralmente criado deixando pausado um CD do álbum logo no início, iniciando o DVD ou a fita com o filme em uma TV no mute, e despausando o CD quando o leão da MGM rugir pela terceira vez. (Note que em algumas versões do filme o leão é colorido. O leão em preto-e-branco é o correto para a sincronia). Deve ser posto em loop, sendo que o disco será tocado um total aproximado de duas vezes e meia para se encaixar com a duração do filme. Uma minoria de devotos afirmam que despausar o CD logo no primeiro rugido produz uma sincronia mais perfeita.
A maior parte dos usuários exploraram o fenômeno usando a cópia original ou o relançamento de 1994 do disco. A versão de 30º aniversário, de 2003, também pode ser usada. Note que a versão de 1994 de 20º aniversário do disco (a versão incluída no box Shine On) contêm várias alterações nas marcações de tempo das faixas, então essa versão não vai criar o efeito Dark Side of the Rainbow.
Outro fator que pode afetar a qualidade da sincronia é a versão do filme. A versão em NTSC, usada nos Estados Unidos, dura 101 minutos, enquanto a versão em PAL, usada na Europa, dura 98 minutos (devido ao sistema de transferência de 25 frames por segundo, ao invés de 24). A versão recomendada é a NTSC.


Alguns exemplos das coincidências entre as duas obras:

Áudio-visual
- A introdução Speak to Me muda para Breathe de acordo com a mudança do nome nos créditos iniciais.
- Breathe muda para On the Run quando Dorothy cai do muro.
- A cauda do cachorro Toto se move conforme os ruídos em On the Run.
- Quando Dorothy canta pela primeira vez no filme, ela olha para o céu enquanto são ouvidos sons de avião na música;
- Os sons de relógios na introdução de Time começam a tocar assim que Elvira Gulch aparece na bicicleta, e cessam assim que ela desce da bicicleta.
- The Great Gig in the Sky (“O Grande espetáculo no céu”) se inicia assim que o tornado se aproxima, e suas mudanças de ritmo combinam com o clima no filme.
- A música Money (“Dinheiro”) tem início logo quando Dorothy abre a porta para o mundo de Oz, e o filme deixa de ser preto-e-branco e se torna colorido.
- As bailarinas dançam ao ritmo de Us and Them.
- Quando a bruxa má aparece , a música fala "black", referencia à sua roupa preta.
- Quando a bruxa má morre, escuta-se gritos do começo da música 'Speak To Me - Breathe'.


 Letras
- Tia Em aparenta dizer "leave" ("parta") para Dorothy, ao mesmo tempo em que é dito o verso "leave, but don't leave me" ("Vá embora, mas não me deixe") em Breathe.
- "Look around" ("Olhe ao redor") - Dorothy olha ao redor
- "And all you touch and all you see" ("Tudo que você toca e tudo que você vê) - Dorothy segura o braço de um do personagens.
- "Dig that hole" ("Cave o buraco") - o fazendeiro aponta para o chão.
- "Balanced on the biggest wave" ("Balançar-se na maior das ondas") - Dorothy se balança em um muro.
- "Share it, fairly" ("Compartilhe, generoso") - um Munchkin dá flores para Dorothy.
- "Moved from side to side" ("Se moveram de um lado para o outro") - os Munchkins correm de um lado para outro quando surge a Bruxa Má do Oeste.
- "Black and blue" ("Preto e azul") - quando é dito "black", a bruxa é vista, com sua roupa e chapéu pretos, e quando é dito "blue" aparece Dorothy, com sua roupa azul.
- "With… without" ("Com… sem") - Em "with", Dorothy está com Toto nos braços, e coloca-o no chão conforme é dito "without".
- "home…home again" ("em casa…em casa de novo") - Quando Dorothy volta para casa.


A ilustração da capa do disco se refere ao fato do tema das músicas, que falam sobre o lado sombrio da mente: os problemas relativos a tempo, dinheiro, solidão e, principalmente, loucura. Muitas interpretações sobre à história original que deu origem ao filme sugerem que todos os acontecimentos ocorridos com Dorothy após sua casa ter sido erguida por um tornado foram alucinações por parte da garota. Há ainda quem afirme que Dorothy teria morrido durante a devastação causada pelo tornado, e todos os eventos na história são uma experiência de vida após a morte - ou "lado negro" da vida.

E você? O que acha sobre isso? Seria esse efeito de sinergia descrito, um exemplo de sincronicidade (definido por Carl Jung), ou intencionalmente a banda realizou  essa sincronia, com fins obscuros a nós? É importante lembrar que muitos dizem que as declarações de negação da banda, poderiam ser propositais, afinal se eles declarassem positivamente poderiam até ser até processados pela "Metro-Goldwyn-Mayer" por uso indevido do filme, sem autorização para tal. Realmente difícil de se responder, porém muito impressionante de se constatar!



                               video
                     
                             Confiram o álbum sincronizado com o filme nesse vídeo!



Henrique Guilherme
Escritor e estudioso
Curioso a cerca dos grandes mistérios das antigas civilizações

11 comentários:

  1. parabens! otimo post. como todos os demais, sou fã deste blog.

    ResponderExcluir
  2. como faz pra ver o vídeo no youtube?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Henrique Ab Origine24 de agosto de 2012 17:37

      Infelizmente, não consegui encontrar o vídeo inteiro no YouTube, Paulo. Ele foi desativado. Portanto eu fiz o download em outro site de compartilhamento de vídeo, e disponibilizei o vídeo na reportagem. Espero que tenha gostado da matéria! Abraços!

      Excluir
  3. Muito interessante, fiquei curioso agora! Já tinha ouvido falar nessa "lenda" mas não sabia os detalhes..

    ResponderExcluir
  4. A referência a Dorothy no álbum pulse, no caso, foi obviamente explícita e proposital pela banda (marketing), então não conta.

    Esse mesmo fato leva a crer que a banda não fez isso intencionalmente, pois a descoberta da coincidência se deu muitos anos após o lançamento do álbum, e se a banda estivesse preocupada com algum retorno comercial ou de auto-imagem, não fazendo sentido guardar por tanto tempo.

    Na minha opinião trata-se de um exemplo de sincronicidade (conforme Carl Jung).
    Eu vi o efeito e achei absolutamente incrível!

    ResponderExcluir
  5. Sabe de alguma versão sem legenda e sem o audio original do filme?

    ResponderExcluir
  6. A MUITO TEMPO OUÇO SOBRE ISSO?AGORA TIVE A CERTEZA QUE NÃO É LENDA.POIS SÃO VARIAS EVIDENCIAS TANTO NA LETRA DA MUSICA QUANTO NO VIDEO.MAIS PORQUE SERA?O QUE A BANDA GANHA COM ISSO?SUCESSO?SERá QUE É POR ISSO QUE O DISCO FOI O 2 MAIS VENDIDO NO MUNDO?GOSTO MUITO DO PINK FLOYD MAIS FIQUEI SURPRESO COM ISSO.A BANDA DEVERIA DIZER A VERDADE DO PORQUE?POIS SÃO FAS NO MUNDO TODO QUE QUERIAM A RESPOSTA COMO EU.LI SOBRE O AUTOR DO FILME É VI QUE O MESMO TEM RELAÇAO COM MAÇONARIA. POR QUE SERA QUE A BANDA PINK FLOYD FARIA ISSO?claudioluiz7777@hotmail.com
    me digam

    ResponderExcluir
  7. Adorei, amo Pink Floyd e agora gosto mais ainda!

    ResponderExcluir

Os editores do blog Ab Origine têm profundo amor e respeito pelo livre pensamento e liberdade de expressão, porém respeitamos ainda mais o leitor que busca um ambiente de respeito às opiniões.

Por isso optamos por moderar os comentários, que serão excluídos nas seguintes condições:

• Piadinhas e infantilidades
• Palavrões e ofensas
• Desinformação

Todos os outros comentários serão publicados, independente da opinião do leitor.