terça-feira, 1 de maio de 2012

Tunguska – A Explosão Vinda do Céu



Tudo aconteceu há 103 anos. O amanhecer daquele dia de verão nas margens do rio Podkamennaya Tunguska, na Sibéria, parecia igual a qualquer outro. Os primeiros raios de Sol aqueciam brandamente a floresta boreal, com seus pinheiros silvestres e charcos úmidos, quando o céu explodiu e a terra sentiu sua fúria.

Por volta das 07h15min da manhã daquele 30 de junho de 1908 uma onda de choque estimada entre 5 megatons e 30 megatons de TNT, com 10–15 megatons sendo o mais provável (isso é aproximadamente igual a 1000 vezes a bomba lançada em Hiroshima na segunda guerra mundial e aproximadamente um terço da Tsar Bomba, a mais poderosa arma nuclear já detonada). A explosão teria sido suficiente para destruir uma grande área metropolitana e derrubou cerca de 80 milhões de árvores em uma área e 2150 quilômetros quadrados e estimando-se que tenha provocado um terremoto de 5 graus na escala Richter. Renas, ursos, lobos, raposas e milhares de outros animais tombaram junto com a vegetação, que até hoje não se recompôs inteiramente.

Céu incandescente

A explosão de Tunguska foi o maior impacto que a Terra sofreu em toda a história do homem civilizado. Eventos parecidos, mesmo em épocas mais remotas, permaneceram desconhecidos até o advento dos satélites artificiais.

Ainda que o epicentro estivesse despovoado, pessoas em centenas de lugares da Ásia e Europa testemunharam o ocorrido. Os relatos eram extraordinários. Fortes ondas de calor, ventanias intensas, estrondos pavorosos e tremores de terra foram reportados. Muitos viram uma bola de fogo e sua cauda esfumaçada se precipitando no horizonte.

O céu noturno ficou incandescente por semanas, tal a quantidade de poeira jogada na estratosfera com a explosão. Em Londres, a mais de 10.000 km, era possível ler um jornal à noite, somente com essa luz. Do outro lado do oceano, o observatório norte-americano Smithsonian registrou uma diminuição na transparência atmosférica que duraram meses.

Segundo informações mais detalhadas, a onda de choque chegou a ser registrada em Londres. Os rios da Sibéria sofreram tamanho impacto e agitação que várias embarcações pequenas afundaram. Segundo os testemunhos da época, durante uma semana após o evento o mundo inteiro estranhou a excessiva claridade das noites e chega-se a afirmar que, em Paris, era possível ler à noite sem luzes artificiais e, em Moscou, era possível fotografar sem as lâmpadas de magnésio.

O que aconteceu?

É claro que houve muita curiosidade tanto de leigos quanto cientistas. Mas a primeira expedição a examinar a região partiu com mais de uma década de atraso, em 1921. Na ocasião, o geólogo soviético Leonid Kulik não conseguiu alcançar o local exato, e deduziu que o evento foi devido à queda de um grande meteorito. Essa hipótese acabou persuadindo o governo soviético a financiar outra expedição em 1927, atraído pela possibilidade de encontrar um meteorito ferroso, de valor comercial. Mas nenhuma cratera foi encontrada; muito menos um meteorito. Outras expedições confirmaram essa ausência.


 Assim, o incidente deu origem a um dos grandes enigmas do século passado que ainda suscita discussões apaixonadas entre cientistas. A versão mais difundida diz que a Terra foi atingida por um asteróide ou um fragmento de cometa. No entanto, mais de 30 hipóteses e teorias foram levantadas sobre o fenômeno de Tunguska.

Vários fatos demonstram que a explosão aconteceu sobre a superfície terrestre, no ar. Como dito anteriormente, não foi formada nenhuma cratera no epicentro da catástrofe. Nenhuma das mais de 200 expedições ao local encontrou um único fragmento do corpo celeste. As árvores em volta ficaram inclinadas para fora do enorme círculo de 60 quilômetros e as do centro continuaram de pé. Na ocasião, mais de mil especialistas do Observatório de Irkutsk observaram a queda sobre a taiga siberiana. Eles deixaram registro das surpreendentes "manobras" que o objeto realizava ao longo de sua trajetória, como se estivesse sendo pilotado. A teoria particular de Yuri Labvin, que dirigiu esta última expedição, sugere que o fenômeno foi originado por uma nave interplanetária extraterrestre. A nave teria salvado a Terra de uma catástrofe, ao destruir ou desviar um corpo espacial que se dirigia para o planeta.

Segundo o comunicado oficial, a expedição, integrada por 14 exploradores, geólogos, professores e estudantes da Universidade de Krasnoyarsk, rastreou durante duas semanas um setor escolhido com base em análise de fotografias tiradas do espaço. Nesta região, perto da cidade de Poligus, 500 quilômetros a oeste de onde as expedições anteriores trabalharam, foram descobertas crateras de até 500 metros de profundidade e detectados fenômenos anormais.


Os exploradores dizem ter encontrado uma das chamadas “pedras-rena”, mencionadas por algumas testemunhas oculares da catástrofe. Eles levaram um pedaço da rocha, de 50 quilos, para analisar em Krasnoyarsk. Segundo o portal NEWSru.com, depois da conferência realizada em 1998 em Krasnoyarsk por ocasião do 90º aniversário do acontecimento, Labvin exibiu duas barras supostamente feitas de um metal desconhecido. Ele teria encontrado os objetos durante uma expedição anterior, perto do povoado de Vanavara, a 65 quilômetros do qual aconteceu a explosão.

 “Os resultados da expedição, segundo seu diretor, permitem esperar que o mistério do fenômeno cósmico seja revelado sem falta no centenário da queda do meteorito de Tunguska”, anunciou a agência Interfax. Já o site Utro.ru advertiu que ufólogos, animados pelas novas descobertas, já se preparam para viajar até a área coberta pela expedição, e ironizou. “A palavra ‘meteorito’ já deve ser escrita entre aspas, já que o que explodiu foi um Óvni”.


Concepções alternativas:

- Antimatéria:  E se um pedaço de antimatéria vindo do espaço fosse à causa do evento? Matéria e antimatéria se aniquilam mutuamente, com grande liberação de energia. No entanto, essa hipótese não leva em consideração os detritos minerais encontrados no local. Além disso, não há evidências de pedaços de antimatéria vagando em nossa vizinhança. Se existissem, produziriam constantemente raios gama; mas as emissões detectadas provêm de outras fontes. 

- Mini buraco negro:  Em 1973, os físicos Albert A. Jackson e Michael P. Ryan propuseram que a explosão em Tunguska teria sido provocada pela passagem de um pequeno buraco negro pela Terra. A hipótese falha porque não existe um evento similar de “saída”, como seria esperado, nem foi detectado nenhum tipo de distúrbio no manto terrestre.

- Bomba-H natural: E se um cometa com uma concentração anômala de deutério (água “pesada”) desencadeasse uma explosão nuclear ao penetrar em nossa atmosfera? O problema é que isso é inconsistente com o nosso conhecimento sobre os cometas, além de não prover as condições de pressão e temperatura necessárias para uma ignição nuclear.

- Raio da morte de Tesla: Oliver Nichelson sugeriu que a explosão poderia ter sido resultado de um experimento de Nikola Tesla na Wardenclyffe Tower, realizado durante a expedição de Robert Peary ao polo norte, denominado o "Raio da Morte". Não existe, no entanto, nenhuma evidência de que Tesla tenha produzido uma arma capaz de produzir a devastação observada.


A proporção do acontecimento, o número de testemunhas e de registros, e a quantidade e qualidade das investigações posteriores de nada adiantaram para solucionar o mistério da explosão em Tunguska, infelizmente. Estando entre as mais insólitas ocorrências documentadas, ainda existem pesquisadores que seguem linhas mais conservadoras e continuam insistindo tratar-se de um gigantesco meteoro que caiu na região, mesmo não existindo qualquer evidência disso. E vocês, em que acreditam?






Henrique Guilherme
Escritor e estudioso
Curioso a cerca dos grandes mistérios das antigas civilizações

9 comentários:

  1. Está aí um daqueles mistérios que vai continuar sendo um enigma para as próximas gerações.

    Mas uma coisa aí tem fundamento: Que pode ter sido a explosão de um óvni. Mas como explicar uma semana de céus incandescentes? Combustível Nuclear que simulou a explosão de uma Bomba-H?? Pequeno Sol gerado devido a diversos fatores desconhecidos que absorveu os componentes da nave e ficou parado no céu até uma semana depois morrer ou ser extinto por alguma tecnologia extraterrestre???

    No mais, meus cumprimentos ao Guilherme pela composição da matéria e fiquem na paz todos os que editam este blog...

    ResponderExcluir
  2. Muito boa matéria! Mais um mistério pra fritar nossas mentes. mas tudo me leva a crer que seja a explosão de um óvni!

    Michelly

    ResponderExcluir
  3. Deve ter sido um vazamento de gás natural, se espalhou e algo fez com que explodisse!

    ResponderExcluir
  4. KKKKKK... deve ser algum teste nuclear, desses merdas...
    é inventarão algumas Historinhas babacas, sobre qualquer coisa ;/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Teste nuclear em 1908??????????

      Excluir
    2. e vc retardado ai xingando.
      inutil.

      Excluir
  5. Era o goku se transformando em ssj4.

    ResponderExcluir
  6. pra mim foi o tesla... o cara era muito alem do seu tempo
    tanto que depois de ele morrer, o governo dos eua confiscaram todos os equipamentos de tesla... ha muitos rumores que o famoso projeto HAARP eh essa arma que tesla criou, mas sem a ajuda de tesla eles levaram quaze 100 anos pra dominar a tecnologia...
    por isso eu acho que tesla foi o responsavel...
    na biografia de tesla conta como ele foi testar este raio que ele criou... procurem ler

    ResponderExcluir
  7. Na verdade foi o Nicolau Tesla, um dos maiores cientistas
    do mundo!!!!!!!

    ResponderExcluir

Os editores do blog Ab Origine têm profundo amor e respeito pelo livre pensamento e liberdade de expressão, porém respeitamos ainda mais o leitor que busca um ambiente de respeito às opiniões.

Por isso optamos por moderar os comentários, que serão excluídos nas seguintes condições:

• Piadinhas e infantilidades
• Palavrões e ofensas
• Desinformação

Todos os outros comentários serão publicados, independente da opinião do leitor.